quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Vôo

Meu espírito, relógio torto, sabe a hora de despertar
Abre a janela do túnel do vento
Vem, revoltado de acordar
Abre o dia
Fecha a lua
Guarda o corpo crescende de mil sóis noturnos, num outro lugar
Corpo enverga feito galho, caule de vértebras
Cabeça plantada no cimento
Nascendo em tédios subterrâneos
Guardo o vôo pra noite
Escuro, hora de voar!

Roberta Roldão (2 de setembro de 2008)

Nenhum comentário:

an DANÇAS

an DANÇAS
in lach in

Dança

Dança
Roberta Roldão

Colaboradores