domingo, 27 de julho de 2008


Se um dia eu me for
Antes de você
Siga cada palavra
Destes versos a mercê
Da alma que voa
Faça de minhas palavras a força da semente
Do verbo criador
Chore lágrimas de alegria
Não caia na magia da dor
Morrer é nascer numa nova dimensão
É ação renovadora
Para a vida nascer no chão
Creia que continua a Jornada maior
Nos reencontraremos
Num universo de amor

Faça dos livros amigos dignos
Dos que possuem sede de aprender
Doe, leia em voz alta, permita que se possa ver

Os livros são silenciosos atuantes
Bons ouvintes
Seres andantes
Guardam, revelam, atrevem
Mantêm perto o distante

Se um dia eu me for
Antes do amanhecer
Abra os braços para o Sol
Sem perguntar o porquê

Faça da chuva uma amiga
Pra limpar a ilusão
Fazendo a limpeza profunda
Fecundando o coração

Morrer é crescer em espírito
Aumentar a nação
Entregar a matéria viva
Como húmus para a Terra


Creia que vou renascer
Noutro ventre, a lição
Reencontrar antigos parentes
Reparar as imperfeições

Se um dia eu me for
Ao anoitecer
Conte a Mayã várias histórias
E como amei você

Ria dos meus defeitos
Cante músicas de negro
Ande descalço e esparrame os dedos
Assobie com o vento, amigo de velhos tempos

Se um dia eu me for
Saiba que não vou esquecer
Quem Sou eu
Quem é você

Nenhum comentário:

an DANÇAS

an DANÇAS
in lach in

Dança

Dança
Roberta Roldão

Arquivo do blog

Colaboradores